Coluna B, dia 10/10

Os 10 discos da minha vida
Imagine um acontecimento sem precedentes. A bomba atômica explodiu, o armaggedon finalmente chegou, ou você estava no avião que caiu lá na ilha de “Lost”. Não importa, a questão é que, por algum motivo, você vai ter que escutar os mesmos dez discos pro resto da sua vida. Só dez.
Esse foi o desafio lançado pela jornalista americana Whitney Matheson, do blog Pop Candy, do jornal USA Today. Fui na onda dela e comecei a pensar na minha própria lista. Fiz um post no meu blog sobre isso e resolvi trazer aqui pra Coluna B o resultado dessa dificílima escolha. Leia abaixo e fique à vontade para enviar pra gente os 10 discos que você ouviria pelo resto da vida.
Uma observação: esta lista não está em ordem de importância ou preferência.
The Beatles – 1 (2000)
Essa reunião dos vinte e sete grandes sucessos comerciais dos Beatles foi a grande responsável por eu ter me embrenhado mais profundamente no mundo dos Fab Four. E, com canções tão clássicas, é impossível cansar cheio deste disco, mesmo que tenha que ouvi-lo pro resto da vida.
Pearl Jam – Vs (1993)
Meu lado grunge aflora por completo quando ouço as grandes canções deste que é o segundo disco da banda de Seattle. Nunca mais poder ouvir “Dissident”, “Animal”, “Rearview Mirror” e “Indifference” seria uma tortura letal.
Leaves – Breathe (2002)
Está fácil nas cabeças da minha lista de melhor disco da década. Coldplay, Travis, Keane e outros similares que me perdoem, mas o dia em que um deles fizer qualquer coisa tão potente como a faixa “Epitaph”, a gente volta a conversar. Um clássico.
Alice in Chains – MTV Unplugged (1996)
O melhor  de todos os acústicos já feitos pela MTV gringa, e ainda carrega uma curiosidade particular: foi o último CD que eu comprei, lá pra 2004 ou 2005, numa banquinha a 12 reais. Veja bem, eu comprar um CD? Tem que valer muito.
The Phantom Band – Checkmate Savage (2009)
Tentei não me deixar levar pelo momento nesta lista, mas este disco é um vício tão impressionante que não consigo passar um dia sem ouvir pelo menos uma música de “Checkmate Savage”. E quero ouvi-lo pra sempre.
Guns N’ Roses – Use Your Illusion II (1991)
Algumas coisas são mesmo eternas. Por mais que o tempo tenha cuidado de mudar (ou talvez apurar) meu gosto musical, faixas como “Civil War”, “Get in the Ring”, “Locomotive” e principalmente a linda “Stranged” vão ficar marcadas pra sempre.
The Decemberists – Picaresque (2005)
De uma das bandas mais regulares que conheço – todos os são excelentes – foi difícil retirar apenas um disco pra colocar na mala. Mas o fato é que não há maneira de passar mais que alguns poucos dias sem ouvir “We Both Go Down Together” e “The Engine Driver”.
Los Hermanos – Ventura (2003)
Este é possivelmente o melhor disco de rock já feito no Brasil. Rock? Nem sei. Tem samba, tem pop, tem de tudo e mais um pouco, com Marcelo Camelo e Rodrigo Amarante em seus momentos de auge criativo. Um álbum inesquecível.
Iron & Wine – Our Endless Numbered Days (2004)
Pra mim, um dos grandes discos de folk da história moderna do estilo. Aqui, Sam Beam é talento em estado puro. Voz, violão e muito pouco mais do que isso formam canções clássicas como a mágica “Naked As We Came”.
Radiohead – Ok Computer (1997)
Pensei muito sobre qual disco do Radiohead colocar aqui. Gostaria de levar toda a discografia, claro. Mas esse clássico absoluto tem “No Surprises”, “Exit Music (For a Film)” e a paranormal “Paranoid Android”, que não dá pra deixar de ouvir nunca.
Ficam na reserva para possíveis aberturas de precedentes “Norah Jones – Feels Like Home”, “Chico Buarque – Perfil”, “Death Cab For Cutie – Transatlanticism”, “Lestics – Les Tics”, “Agnes Kain – Keep Walking Or I’ll Kill You”, “Sondre Lerche – Two Way Monologue”, “Coldplay – Parachutes” e “Regina Spektor – Begin to Hope”. Pode?
Notinhas
A década da música
Mais uma daquelas listas intermináveis e divertidas foi completada na semana passada. Desta vez, foi o site Pitchfork que resolveu listar os 200 melhores discos da década. É claro que, sendo a seleção de um dos sites mais alternativos da internet, há polêmicas que não acabam mais. Mas o resultado final foi bem satisfatório. Discos preciosos de Interpol, Strokes, LCD Soundsystem e Sufjan Stevens ficaram muito bem colocados, assim como Animal Collective, Spoon e The Knife. Mas os grandes vencedores da década são Daft Punk, com “Discovery” (2001), Arcade Fire, com “Funeral” (2004) e o Radiohead, com “Kid A” (2000), os três primeiros colocados, nesta ordem. Aliás, pode-se dizer que a banda de Thom Yorke, que anunciou a previsão de um novo álbum a ser gravado no fim deste ano, é mesmo a grande banda dos anos 2000: além da primeira colocação, ainda abocanhou a 34ª posição com “Amnesiac” (2001) e a 21ª com “In Rainbows” (2007).
Novidades
O Vampire Weekend lançou para download gratuito a primeira música de “Contra”, seu novo disco, que chega só em janeiro. A faixa “Horchata”, ao mesmo tempo esquisitinha e gostosa, tá lá no site da banda. Vai que dá. /// Segundo a Popload, a ótima banda americana Walkmen toca no Brasil em dezembro. Será que eles vêm pro mesmo festival (Goiania e SP Noise) que o Dirty Projectors? Se for, será imperdível. /// O Arctic Monkeys vai lançar mais um single, “Cornerstone”. Mas a boa notícia mesmo é que o disquinho (virtual e em vinis de 10 e 7 polegadas) vai vir com nada menos que três faixas inéditas: “Fright Lined Dining Room”, Sketchead” e “Catapult”, todas sobras de estúdio do álbum “Hambug”. /// Agora é confirmado: o Oasis acabou mesmo. Palavras de Liam Gallagher para o jornal britânico The Times. Triste.
Todo mundo tem que ouvir
Na semana que vem, “Where the Wild Things Are”, filme de Spike Jonze baseado no clássico de Maurice Sendak, estreia nos EUA. E a parte musical ficou por conta da talentosa Karen O, do Yeah Yeah Yeahs.
Sob o nome de Karen O and the Kids, a trilha já é figurinha fácil na internet e deixa água na boca para ver o filme. Vale a pena escutar.
Playlist
Girls – Hellhole Ratrace
Chris Garneau – Les Lucioles en re Mineur
Editors – You Don’t Know Love
Dirty Projectors – Stillness Is the Move
Frank Turner – The Quiet One
Devendra Banhart – Goin Back
Monsters of Folk – Goodway
The Xx – Shelter
Alice in Chains – Your Decision
Pearl Jam – Just Breathe

Os 10 discos da minha vida

Imagine um acontecimento sem precedentes. A bomba atômica explodiu, o armaggedon finalmente chegou, ou você estava no avião que caiu lá na ilha de “Lost”. Não importa, a questão é que, por algum motivo, você vai ter que escutar os mesmos dez discos pro resto da sua vida. Só dez.

Esse foi o desafio lançado pela jornalista americana Whitney Matheson, do blog Pop Candy, do jornal USA Today. Fui na onda dela e comecei a pensar na minha própria lista. Fiz um post no meu blog sobre isso e resolvi trazer aqui pra Coluna B o resultado dessa dificílima escolha. Leia abaixo e fique à vontade para enviar pra gente os 10 discos que você ouviria pelo resto da vida.

Uma observação: esta lista não está em ordem de importância ou preferência.

The Beatles – 1 (2000)

1

Essa reunião dos vinte e sete grandes sucessos comerciais dos Beatles foi a grande responsável por eu ter me embrenhado mais profundamente no mundo dos Fab Four. E, com canções tão clássicas, é impossível cansar cheio deste disco, mesmo que tenha que ouvi-lo pro resto da vida.

.

Pearl Jam – Vs (1993)

vsMeu lado grunge aflora por completo quando ouço as grandes canções deste que é o segundo disco da banda de Seattle. Nunca mais poder ouvir “Dissident”, “Animal”, “Rearview Mirror” e “Indifference” seria uma tortura letal.

.

.

Leaves – Breathe (2002)

BreatheEstá fácil nas cabeças da minha lista de melhor disco da década. Coldplay, Travis, Keane e outros similares que me perdoem, mas o dia em que um deles fizer qualquer coisa tão potente como a faixa “Epitaph”, a gente volta a conversar. Um clássico.

.
.

Alice in Chains – MTV Unplugged (1996)

mtv_unpluggedO melhor  de todos os acústicos já feitos pela MTV gringa, e ainda carrega uma curiosidade particular: foi o último CD que eu comprei, lá pra 2004 ou 2005, numa banquinha a 12 reais. Veja bem, eu comprar um CD? Tem que valer muito.

.

.

The Phantom Band – Checkmate Savage (2009)

checkmate_savageTentei não me deixar levar pelo momento nesta lista, mas este disco é um vício tão impressionante que não consigo passar um dia sem ouvir pelo menos uma música de “Checkmate Savage”. E quero ouvi-lo pra sempre.

.

.
Guns N’ Roses – Use Your Illusion II (1991)

Use your illusion IIAlgumas coisas são mesmo eternas. Por mais que o tempo tenha cuidado de mudar (ou talvez apurar) meu gosto musical, faixas como “Civil War”, “Get in the Ring”, “Locomotive” e principalmente a linda “Stranged” vão ficar marcadas pra sempre.

.
.

The Decemberists – Picaresque (2005)

picaresqueDe uma das bandas mais regulares que conheço – todos os são excelentes – foi difícil retirar apenas um disco pra colocar na mala. Mas o fato é que não há maneira de passar mais que alguns poucos dias sem ouvir “We Both Go Down Together” e “The Engine Driver”.

.
.

Los Hermanos – Ventura (2003)

venturaEste é possivelmente o melhor disco de rock já feito no Brasil. Rock? Nem sei. Tem samba, tem pop, tem de tudo e mais um pouco, com Marcelo Camelo e Rodrigo Amarante em seus momentos de auge criativo. Um álbum inesquecível.

.

.

Iron & Wine – Our Endless Numbered Days (2004)

endless_numberedPra mim, um dos grandes discos de folk da história moderna do estilo. Aqui, Sam Beam é talento em estado puro. Voz, violão e muito pouco mais do que isso formam canções clássicas como a mágica “Naked As We Came”.

.

.
Radiohead – Ok Computer (1997)

ok_computerPensei muito sobre qual disco do Radiohead colocar aqui. Gostaria de levar toda a discografia, claro. Mas esse clássico absoluto tem “No Surprises”, “Exit Music (For a Film)” e a paranormal “Paranoid Android”, que não dá pra deixar de ouvir nunca.

.
.

Ficam na reserva para possíveis aberturas de precedentes “Norah Jones – Feels Like Home”, “Chico Buarque – Perfil”, “Death Cab For Cutie – Transatlanticism”, “Lestics – Les Tics”, “Agnes Kain – Keep Walking Or I’ll Kill You”, “Sondre Lerche – Two Way Monologue”, “Coldplay – Parachutes” e “Regina Spektor – Begin to Hope”. Pode?

.

Notinhas

A década da música

Mais uma daquelas listas intermináveis e divertidas foi completada na semana passada. Desta vez, foi o site Pitchfork que resolveu listar os 200 melhores discos da década. É claro que, sendo a seleção de um dos sites mais alternativos da internet, há polêmicas que não acabam mais. Mas o resultado final foi bem satisfatório. Discos preciosos de Interpol, Strokes, LCD Soundsystem e Sufjan Stevens ficaram muito bem colocados, assim como Animal Collective, Spoon e The Knife. Mas os grandes vencedores da década são Daft Punk, com “Discovery” (2001), Arcade Fire, com “Funeral” (2004) e o Radiohead, com “Kid A” (2000), os três primeiros colocados, nesta ordem. Aliás, pode-se dizer que a banda de Thom Yorke, que anunciou a previsão de um novo álbum a ser gravado no fim deste ano, é mesmo a grande banda dos anos 2000: além da primeira colocação, ainda abocanhou a 34ª posição com “Amnesiac” (2001) e a 21ª com “In Rainbows” (2007).

Novidades

O Vampire Weekend lançou para download gratuito a primeira música de “Contra”, seu novo disco, que chega só em janeiro. A faixa “Horchata”, ao mesmo tempo esquisitinha e gostosa, tá lá no site da banda. Vai que dá. /// Segundo a Popload, a ótima banda americana Walkmen toca no Brasil em dezembro. Será que eles vêm pro mesmo festival (Goiania e SP Noise) que o Dirty Projectors? Se for, será imperdível. /// O Arctic Monkeys vai lançar mais um single, “Cornerstone”. Mas a boa notícia mesmo é que o disquinho (virtual e em vinis de 10 e 7 polegadas) vai vir com nada menos que três faixas inéditas: “Fright Lined Dining Room”, Sketchead” e “Catapult”, todas sobras de estúdio do álbum “Hambug”. /// Agora é confirmado: o Oasis acabou mesmo. Palavras de Liam Gallagher para o jornal britânico The Times. Triste.

Todo mundo tem que ouvir

Na semana que vem, “Where the Wild Things Are”, filme de Spike Jonze baseado no clássico de Maurice Sendak, estreia nos EUA. E a parte musical ficou por conta da talentosa Karen O, do Yeah Yeah Yeahs.

Sob o nome de Karen O and the Kids, a trilha já é figurinha fácil na internet e deixa água na boca para ver o filme. Vale a pena escutar.

Playlist

Girls – Hellhole Ratrace

Chris Garneau – Les Lucioles en re Mineur

Editors – You Don’t Know Love

Dirty Projectors – Stillness Is the Move

Frank Turner – The Quiet One

Devendra Banhart – Goin Back

Monsters of Folk – Goodway

The Xx – Shelter

Alice in Chains – Your Decision

Pearl Jam – Just Breathe

Anúncios

Um comentário sobre “Coluna B, dia 10/10

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s