Coluna B – 21/02/09

Mais uma vez, devido aos problemas com a crise financeira mundial e a falta de anúncios nos jornais, a Coluna B da semana passada foi publicada apenas na internet. Como nem todo mundo viu, republico o texto completo aqui, para quem quiser ler. 

 

Folia do Reis

Apesar de se especializar em trazer para as folhas do jornal o que acontece na música alternativa mundial, com ênfase no rock e seus derivados, a Coluna B não é inimiga do carnaval. Claro, como alguém pode ser contra dias e dias de uma festa incessante e incansável? Não há maneira. O único senão em relação a esta tradição brasileira é a trilha sonora que costumam usar. Quer dizer que, só porque é carnaval, temos que passar todos esses dias com os ouvidos carcomidos por música de péssima qualidade? Ora, é claro que não. Este colunista vai mostrar hoje o que vai sair de suas caixas de som nas horas de folia. E você, que também curte música de qualidade, pode fazer o mesmo. É só querer. 
 
Precisamos começar bem o carnaval. A melhor maneira de fazer isso é aumentando o volume de uma música como “Jump in the Pool”, do Friendly Fires. Aliás, pular na piscina de roupa e tudo, ou sem nada mesmo, também está liberado – mas apenas no carnaval, hein. Com a festa que esse trio de ingleses faz com os instrumentos na mão, é impossível não se mexer. Além desta, a mágica “Paris” pode fazer você flutuar sem precisar da ajuda de nenhuma substância ilícita, e “Skeleton Boy”, já um clássico das pistas e do YouTube, certamente vai proporcionar um bom fundo musical para momentos inesquecíveis com os amigos. Ótima opção de indie rock dance, o Friendly Fires é daquelas que não podem faltar nas festinhas. 
 
O negócio é não deixar a peteca cair. Para manter a chama carnavalesca acesa, a dica é casar alguns estilos e artistas que são imprescindíveis nesse tipo de reunião. Não há nada de errado em colocar “How To Hang A Warhol”, “No one’s Better Sake”, “The Next Time Around” e “Keep Me In Mind”, as mais empolgadas do ótimo disco do Little Joy, na sequência das incendiárias novas músicas do Franz Ferdinand. Recomendo, em fila e ordem de preferência, as deliciosas “No You Girls”, “Ulysses”, “Turn It On” e “What She Came For”. A sobreposição da declarada animação despretensiosa da banda de Amarante e Moretti com a calculadíssima reverência às pistas preparada por Alex Kapranos no disco “Tonight: Franz Ferdinand” tem a capacidade irrecuperável de bombar uma festa até o último segundo.
 
Se tem uma coisa que não pode faltar no carnaval, convenhamos, é a famosa bagunça. Pode ser até organizada, limpa, civilizada, mas ainda assim uma bela bagunça. E isso, na música atual, tem nome: mash-up. Para suprir essa demanda, a folia do Reis indica o rei dos mash-ups: Gril Talk. Desafio qualquer pessoa normal – e com o mínimo de disposição para dançar – a ficar parada enquanto o disco “Feed the Animals”, que saiu ano passado e foi elogiadíssimo, estiver tocando no seu aparelho de som. A colagem inacreditável que Gregg Gillis arma (misturando uma média de 20 músicas em cada faixa) é tão bem costurada que todas as músicas do álbum, segundo o próprio músico, devem ser ouvidas sem intervalos, soando como uma grande amarração de canções interconectadas. Fantástico para dar um jeito em quem é bom da cabeça e doente do pé. 
 
Não saia do clima. Recrute o disco “Sou”, de Marcelo Camelo, e tire de lá a faixa “Copacabana”, a mais genuína representante indie do carnaval. Coloque essa divertidíssima marchinha lado a lado com outras faixas dançantes do disco para dar um toque brazuca ao seu repertório de folião do mal. “Menina Bordada” descamba para o carimbó e não ficaria nem um pouco deslocada se fosse tocada na Barra do Jucu. Já “Vida Doce” entra na roda da canção latina, com direito a percussão requebrante e arranjos inventivos para violão. Complete a brasilidade com dois discos nacionais bacanas e ideais para este momento: “Japan Pop Show”, do Curumim, com bastante sambinha pra gringo ver, e o sensual “Na Confraria das Sedutoras”, do 3 Na Massa, que coloca um bando de moças bonitas e talentosas para cantar sobre as bases espertas dos músicos Rica Amabis, Pupilo e Dengue. 
 
Não é porque estamos em 2009 que não podemos fazer uma bela retrospectiva dos anos passados, principalmente se for para embalar os momentos alucinógenos que todo carnaval proporciona. Meta “Time To Pretend” do MGMT grudado em “Dancing Choose” do TV On The Radio, enfileirando depois “Monday” do Friska Viljor, “Five on the Five” do Raconteurs, “My Year in Lists” do Los Campesinos!, “Boyfriend” do Alphabeat e, para fechar bem, o remix de “Within You Without You/Tomorrow Never Knows” dos Beatles, presente no disco “Love”. Para terminar em grande estilo, o toque de humor do feriado fica por conta do incrível remix “Bale Out”, feito pelo RevoLucian a partir do chilique que o ator Christian Bale deu no set de “Terminator Salvation”. Imperdível, e uma bela forma de fazer o seu carnaval terminar em risadas histéricas. Vai por mim, vale a pena curtir essa folia. 
*******************************
Notinhas
*
Cinema & Música
O talentoso e polivalente diretor Marc Forster assinou contrato para filmar a biografia de Kurt Cobain. O cineasta vai adaptar o livro “Mais Pesado Que o Céu”, de Charles Cross, com ajuda do aclamado roteirista David Benniof. O único problema é que Courtney Love terá que aprovar cada cena do longa. Tomara que ela não estrague tudo.
*
Trent Reznor tem novidades
Essa semana, o músico Trent Reznor, do Nine Inch Nails, revelou que está produzindo o primeiro disco de inéditas do Jane’s Addiction desde “Strays”, de 2003. O americano completou a informação com duas notícias para os fãs, uma boa e uma ruim: a boa é que o NIN vai excursionar com o J’sA logo após o álbum vir a público; a ruim é que Reznor planeja dar um tempo de sua banda, que completa 20 anos em breve, e provavelmente vai tirar umas férias e se jogar em novos projetos pessoais. 
*
Da série “retornos que não gostaríamos de ver”
Essa semana marcou anúncios de retornos que, convenhamos, o mundo não precisa nem um pouco. O odioso Limp Bizkit anunciou que vai se reunir, com os líderes da banda, Fred Durst e Wes Borland, dizendo que odeiam mais as músicas pesadas feitas hoje em dia do que um ao outro, então este é o motivo da volta. A outra é a inofensiva, mas algo datada, Blink 182. Os caras até têm uma ou outra musiquinha que passa, mas não estavam fazendo a menor falta. Enquanto isso, os boatos de que Faith No More e Alice In Chains tambékm voltariam, esses sim, boas notícias, continuam sendo apenas boatos.
*
Todo mundo tem que ouvir
Você conhece o ator Jason Schwartzman? Aquele com cabelinho de cuia e presente nos filmes “Garota da Vitrine”, “Viagem A Darjeeling” e “Maria Antonieta”. Lembrou? Pois fique sabendo que, como ator, ele é um ótimo músico. 
A banda
Schwartzman é o nome por trás do Coconut Records, banda em que ele faz de tudo: compõe, canta e toca todas as faixas. Seu novo disco, “Davy”, segue o caminho do anterior, com folk e indie pop bem dosados. Ouça que vale a pena.
*
Playlist
The Heartless Bastards – Hold Your Head High
Melpo Mene – Dead or Arrival
Pearl Jam – Porch (new mix)
Yeah Yeah Yeahs – Zero
Franz Ferdinand – Feel the Preassure
Marissa Nadler – Heart Paper Love
Kurt Vile – Take My Advice
Joan as Police Woman – I Defy
El Goodo – Aren’t You Grand
Harlem Shakes – TFO
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s